Anúncios

Arquivo do autor:Stephy

Ilhas Maurícias

Eu tenho feito algumas viagens maravilhosas que não estou compartilhando como deveria.

Ano passado, em Agosto, fui numa viagem encantadora para as ilhas Maurícias e depois para as Seychelles e vou fazer um post sobre cada um dos locais – vamos torcer que o das Seychelles saia antes de completar um ano dessa viagem.

Um pouco de informação geral primeiro:

Localização: A República da Maurícia fica no Oceano Índico a cerca de 2.000 km da costa sudeste do continente africano e inclui as ilhas Maurícia, Rodrigues, Reunião e mais uns pedaços de terra por ali, vão no wikipedia ou no google maps para mais detalhes. A capital é Port Louis, que fica no noroeste da ilha Maurícia. São ilhas formadas por erupções vulcânicas.

Língua: Por incrível que pareça não tem uma língua oficial. Na prática, entre eles falam Criolo Mauriciano, que tem um som parecido com o Francês mas as palavras são bastante diferentes, a população também fala Francês e Inglês fluente.

História geral: A ilha Maurícia era desabitada antes de sua primeira visita registrada durante a Idade Média pelos árabes, que a chamaram de Dina Arobi. Em 1507, os navegadores portugueses chegaram à ilha e estabeleceram uma base de visitantes. Diogo Fernandes Pereira, navegador português, chamou a ilha de Ilha do Cirne. Em 1598, os Holdandeses comandados pelo almirante Wybrand Van Warwyck desembarcaram em Grand Port e trocaram o nome para ilha de Maurício em homenagem ao príncipe Maurício de Nassau. Os holandeses estabeleceram uma pequena colônia na ilha em 1638, da qual exploraram árvores de ébano e introduziram cana-de-açúcar, animais domésticos e veados. A França, que já controlava a vizinha Île Bourbon (atual Reunião), assumiu o controle da ilha em 1715 e a renomeou como Isle de France. A 3 de dezembro de 1810, os britânicos tomaram o controle da ilha e reverteram seu nome para Maurício. Além dos conquistadores, a ilha tinha, no tempo da escravidão, muitas pessoas trazidas da África, de Madagáscar e da Índia.
Ou seja: todo mundo esteve lá, quem passava trocava o nome, tem influência de todo canto. A escravidão foi abolida em 1835. A independência da República foi proclamada em 12 de Março de 1968 e Sir Seewoosagur Ramgoolam foi o primeiro Primeiro-Ministro da Maurícia com a Rainha Elizabeth II como chefe de estado. O principal produto da ilha é o açúcar, tem várias plantações por toda a ilha. Também têm produção de chá e tabaco e claro, o turismo também move a economia.  

O povo mauriciano é multiétnico, multirreligioso, multicultural e multilingue. Vi um monte de Indianos, Chineses, Árabes, Franceses, Ingleses, e descendentes de todos esses lugares, todos juntos e misturados. Tem Hindus, Católicos, Muçulmanos, tudo de todo o tipo. Todo mundo vive em paz na ilha, que tem um ritmo bem, de ilha mesmo. Todo mundo tranquilo. Tudo se faz mas, sem estresse.

Passei uma semana na ilha e fiquei hospedada num hotel super legal, bem na frente da praia, super ajeitadinho mas sem muita frescura, bem “praieiro”, na praia de Flic-en-Flac (http://www.les2canons.mu/). Como a ilha não é muito grande, aluguei um carro, o que ajudou bastante pois fomos até ao jardim botânico Sir Seewoosagur Ramgoolam na capital e pude dar uma volta na ilha inteira, visitar várias praias.

Quando eu vou pela primeira vez em qualquer país que seja, sempre pego tours com empresas de turismo. É um jeito fácil e prático de ter uma noção geral das coisas mais importantes que o local tem a oferecer.

Essa vez não foi excepção e em nossas tours visitamos:

– o Museu do Açúcar, onde pudemos ver como é produzido e perceber a importância do açúcar nessa comunidade, (https://www.aventuredusucre.com/fr/misc/galerie.aspx);

– plantação de baunilha – que é extremamente sensível, rara e cara

– a Rummerie de Chamarel e Saint Aubin – ambas são destilarias de rum onde se fazem várias provas de rum, mas em diferentes partes da ilha, é complicado para sair de pé de qualquer uma delas

– as terras coloridas de Chamarel – uma propriedade privada localizada em Chamarel, que tem algumas cascatas e onde, devido a presença de diferentes óxidos minerais, a terra apresenta uma variação em coloração, mais especificamente, tem 7 cores diferentes

– Ganga Talao ou Grand Bassin – um lago sagrado com um templo Hindu. Na entrada do templo fica a estátua de Shiva, ao entrar, tem várias estátuas de todos os deuses Hindus

– Fábrica de Chás de Bois Chéri – nos explicam como são plantados, colhidos, trazidos pras fábricas e como são feitos os diversos chás, tudo isso seguido de uma prova de chás maravilhosa com bolinhos deliciosos

– fomos de barco para uma ilha vizinha, mergulhamos pelo caminho, passamos o dia lá, almoçamos e na volta vimos golfinhos. Gostei do passeio em si mas não gostei da pressão em cima dos golfinhos. São tantos barcos em volta deles, tantas crianças e adultos pulando quase em cima deles pra nadar com eles, penso que devem ficar bem estressados e não concordo com isso, acho que podemos apreciar a beleza da natureza sem a danificar e prejudicar

– o Zoo La Vanille Nature Park – vimos vários animais, crocodilos enormes e claro, as famosas tartarugas gigantes, que são de fato, incríveis. Pensar que algumas estão aqui há mais de 100 anos. É preciso ter algum cuidado ao alimentar as tartarugas, elas não fazem de propósito mas às vezes mordem uns dedinhos pensando que é comida

Vimos muitas outras coisas interessantes. A ilha tem muita história, muita coisa para ver e para aprender. É um local onde existe produção, empresas de vários locais, além de turismo. Diferente das Seychelles, que é mais apenas praia e paraíso, as Maurícias parecem ter uma mais vida normal, um paraíso com praias maravilhosas mas mais citadino.

A culinária representa bem a variedade da população – os pratos são uma mistura de comida chinesa, indiana, francesa e criola. Gostam bastante do picante deles. A cerveja local, a Phoenix, é bem gostosa.

As pessoas são bastante simpáticas, todo mundo disponível para ajudar os turistas, dispostos a dar recomendações e a contribuir para as suas férias serem o que você espera.

No geral gostei bastante da viagem, acho que para férias mesmo, de relaxar geral eu prefiro as Seychelles mas sem dúvida as ilhas Maurício merecem uma visita e sendo perto das Seychelles recomendo que façam o que eu fiz – as duas coisas, uma semana em cada um.

Não sou a melhor fotógrafa do mundo mas algumas aí que eu tirei, pra dar uma ideia do local.

Anúncios

Fui demitido(a), e agora?

Ai ai ai que dor! Você foi demitida(o), e agora? Tá surpreso(a), triste, desiludido(a), ficou sem chão, com raiva, com todas as suas contas e compromissos financeiros passando pela sua cabeça?

Se você não esperava e não tinha ideia de que isso ia acontecer, a reação natural é ficar em choque. Mesmo que já estivesse mais ou menos esperando, ouvir as palavras vai te botar para baixo.

Ninguém espera que uma pessoa demitida fique feliz, pule de alegria, e acredite ou não, demitir uma pessoa – com excepção de pessoas que são demitidas por atos graves como roubo, violência, etc – não traz prazer nenhum para quem demite (vamos deixar os sociopatas de fora dessa).

A primeira coisa que você deve fazer é claramente, manter a calma. Pode parecer difícil mas você precisa entender que a maneira como você reage a uma demissão pode definir o seu futuro profissional. Não queime potenciais recomendações, indicações e até quem sabe re-contratações! Depois, convêm entender e clarificar com sua empresa porquê você foi demitido?

Se a explicação for óbvia como nos casos mencionados acima, bem feito.

A empresa está reduzindo custos porque o negócio não está indo tão bem? Isso acontece ou pode acontecer com todo e qualquer negócio. As empresas têm altos e baixos e infelizmente, da mesma forma que nos altos tendem a contratar mais gente do que precisam, nos baixos, cortes têm que ser feitos. Você acha que isso é uma escolha pessoal? Não é. Negócios não tem coração e não casas de caridade. Se a empresa está reduzindo custos e você não é das pessoas mais necessárias, ou talvez não das mais competentes, você vai garantidamente entrar na lista de cortes. Não leve isso pessoalmente e mantenha a cabeça fria. O jeito é seguir em frente.

Você tinha um emprego que por exemplo foi automatizado e sua posição virou redundante? Bem, a primeira coisa é que você já deveria estar se preparando. Ao ver a compra, instalação de equipamentos de automação, etc, você já deveria estar se preparando, procurando outro emprego por exemplo ou melhor ainda, estudando, aprendendo alguma coisa nova, ou alguma coisa essencial para te manter empregado, como por exemplo, a operar ou reparar o equipamento de automação. Isso se aplica em várias situações semelhantes. Esteja atento aos movimentos da empresa e sempre procure se manter atualizado na sua profissão para evitar demissões em primeiro lugar. Se já aconteceu, porque não aproveita esse tempo sem emprego para melhorar seu conhecimento?

Foi demitido por má performance? Bem feito. Sempre dê o seu melhor e se faça indispensável. Se você está num emprego para fazer o mínimo possível e pegar o seu no final do mês, bem feito e bem feito, você merece ser demitido. Sempre trabalhe para crescer, não para ficar onde você já está. Sempre, sempre, sempre tem um jeito de fazer mais. Você é segurança ou caixa de um supermercado? Analise os processos e procedimentos do mercado, dê sugestões de como as coisas podem ser melhoradas. Limpa banheiros? Seja o melhor limpador de todos, entenda que o que você faz é muitíssimo importante, é manter a imagem da empresa. Faça mais do que é esperado de você, vista a camisa e cuide da empresa como se fosse o seu próprio negócio e eu garanto que você dificilmente será demitido, porque todos os outros que estão lá naquele esquema de passar o tempo e pegar cheque vão primeiro do que você. Se você teve a coragem de se analisar e perceber que não deu o melhor de si e que talvez tenha merecido essa demissão, tudo bem. Aprendeu. Siga adiante e faça melhor na próxima.

Foi demitido porque a gerência mudou e vocês não se bateram? Eu confesso, essa é mais complicada. Você pode ser um funcionário exemplar e chega alguém novo que não vai com a tua cara e você baila. Ainda assim, mantenha a postura, seja o mais profissional possível. Não esqueça que aquela pessoa é nova e tem que provar o seu valor. Ela não vai com a sua cara agora, conseguiu te demitir mas agora ela tem que provar que dali para a frente tudo melhora, certo? E se você se mantiver profissional e cordial, principalmente na saída, e tiver sido de fato um funcionário indispensável, os donos, outros gerentes e seus colegas vão lembrar disso. Se as coisas de fato melhorarem na empresa, você perdeu o emprego mas consegue boas recomendações, indicações, etc e pode achar outra coisa mais rápido. E se correrem mal para o novo gerente, quem sabe o que pode acontecer? Você pode até voltar numa posição melhor do que tinha antes.

Foi demitido por se meter em intrigas e fofocas e casos desse tipo? Bem feito. Não se meta nessas confusões. Se você escutar esse tipo de coisa ignore e se afaste. Se for com você, confronte, deixe bem claro que essas coisas não são seu tipo e você as considera anti-profissionais, ignore e se afaste. Nunca se meta em intrigas de coleguinhas, uma hora vai dar merda para alguém. Já aconteceu? Saia de bola baixa que é melhor, seu drama só vai piorar sua imagem e queimar seu filme de vez.

A mais difícil é quando é demitido(a) por sua idade. Essa é pura sacanagem. Tem muita empresa que não percebe a importância e o valor que o conhecimento tem. Erradamente, valorizam mais uma folha de papel do que anos de experiência. Não adianta ter um curso teórico e muita energia, se você não sabe o que fazer na prática e não tem maturidade nem experiência para lidar com o que vem com a vida real. O ideal seria que todos os jovens trabalhadores fossem guiados por pessoas mais experientes, que são naturalmente, mais velhas. Deve ser muito difícil dar anos e anos de seu esforço e dedicação e ser demitido antes de poder se aposentar mas, ainda assim, mantenha a postura. Se lembre que a sua experiência tem valor e que se revoltar não vai ajudar, não queime suas pontes.

Um resumo:

  • Dê sempre o seu melhor no trabalho, se mantenha afastado de fofocas e intrigas e se mantenha atualizado para que seja o mais indispensável possível e reduza potenciais chances de demissão;
  • Fique atento aos movimentos da sua empresa, se vir que o negócio não está indo tão bem, pergunte aos seus superiores diretamente se está em risco de demissão mas se prepare mentalmente e comece a procurar outras oportunidades;
  • Se acontecer, mantenha a calma, não entre em desespero, nada de drama, mantenha uma postura adulta, cordial e profissional antes, durante e depois da sua saída, nunca leve uma demissão para o lado pessoal;
  • Deixe bem claro que está disponível para ajudar e esclarecer dúvidas que os seus colegas possam ter, mesmo depois da sua saída. Isso te abre uma porta de comunicação imprescindível ;
  • Peça recomendações e indicações para os seus ex-empregadores, que se você sair em bons termos, são suas melhores referências;
  • Bote a cabeça no lugar, prepare um bom currículo, treine para entrevistas e vá com toda a confiança do mundo sabendo que você tem valor e é um funcionário que vai agregar a qualquer empresa que te empregue. Vida que segue.


Não quero ser princesa

Eu não quero esperar numa torre e jogar minhas tranças, nem quero esperar o príncipe trazer o sapatinho enquanto eu limpo a casa e sou maltratada pelas minhas meias-irmãs malvadas.

Eu já dei uns tapas nas minhas meias-irmãs e botei elas no lugar, já mandei a minha madrasta malvada tomar no furico e já explodi a torre. Já resolvi e vou continuar resolvendo os meus problemas, correndo atrás e buscando o que quero dessa vida. Não espero nada nem ninguém, eu mesma me salvo.

Essa cultura de princesismo que a gente tem é do século passado. Já deu de princesas que ficam esperando tudo, que falam e reclamam e se vitimizam em vez de ter atitude. Eu quero é ver mais mulheres com força na venta, que esperam menos e fazem mais. Para quê justificar ou esperar para ser o que você quer ser? Simplesmente seja, aja, faça e pronto, sem discurso, sem explicação.

Eu vou continuar sendo eu mesmo, o que eu sou e do jeito que sou. Decididamente não uma princesa.


Sangue de Bombay

Provavelmente você já ouviu falar sobre tipos sanguíneos – A, B, AB, O – mas você sabia que existe um outro, o de Bombay (oficialmente hh)?

hh é o tipo sanguíneo conhecido mais raro. O fenótipo foi descoberto em 1952 pelo Dr. Y. M. Bhende em Mumbai (antigamente chamada de Bombaim), na Índia.

O Dr. Bhende tinha 2 pacientes que precisavam de transfusões sanguíneas – um vítima de uma facada e um operário de ferrovia – mas nenhumas das transfusões de sangue estava funcionando, o sangue deles se aglomerava assim que entrava em contacto com o dos doadores. O time médico testou 160 doadores até finalmente acharem um, de um residente de Bombaim, que era compatível com ambos os pacientes.

Este raro fenótipo está presente em apenas 0.0004% da população humana (4 em 1 milhão), apesar de algumas regiões como Mumbai na Índia, chegarem a ter ocorrências de 0.01% (1 em 10,000). No Brasil, apenas são conhecidas 11 famílias que têm Sangue de Bombay.

Devido à sua raridade, os bancos de sangue dificilmente têm stock, o que coloca as pessoas que precisam de transfusões urgentes em um risco elevado. 

Agora um pouco de biologia beeeemm sucinta: o nosso sangue tem glóbulos vermelhos (entre outros tipos de células que não são relevantes agora) que estão num fluído chamado plasma. Estes glóbulos vermelhos têm nas suas superfícies moléculas chamadas de antígenos, que induzem a formação de anticorpos quando uma ameaça é reconhecida pelo sistema imune.

Desses antígenos o H é o mestre, porque é a partir dele que são gerados todos os outros. Para o obtermos, uma enzima chamada de enzima activa H precisa transformar a substância precursora em antígeno H. A peculiaridade das pessoas com tipo sanguíneo hh é que elas não produzem a enzima activa H, o que significa que não têm o antígeno H e por consequência, nenhum dos outros.

Tirando o antígeno H que está implícito, quando dizemos que alguém tem sangue tipo A ou B, queremos dizer que essa pessoa tem antígenos tipo A ou B e anticorpos do tipo B ou A, respectivamente, em seu sangue. Pessoas com AB (receptores universais), tem antígenos do tipo A e B em seu sangue e não têm anticorpos. Pessoas do grupo O (dadores universais) têm anticorpos A e B e não antígenos (exceto H).

Grupo Sanguíneo Antígenos Anticorpos
A A,H B
B B,H A
AB – receptores universais A,B,H
O –  dadores universais H A,B
Bombay A,B,H

 

O grupo de pessoas com fenótipo hh pode doar sangue para todas as pessoas dos grupos ABO mas só pode receber do grupo hh. Em testes de sangue convencionais, o grupo hh pode ser confundido com o O, já que ambos produzem anticorpos para A e B. Para detectar Sangue de Bombay, ou Falso O como também é chamado, deve ser realizado um teste específico com anticorpos anti-H.

Acredita-se que este fenótipo surgiu com a reprodução dentro da mesma linhagem, em casamentos consanguíneos ou em comunidades muito fechadas, em que o pool genético era bem restrito, e então é provável que as pessoas com Sangue de Bombay tenham uma origem ancestral comum.


Vídeo maravilhoso sobre educação e criatividade

Tem legenda em português, basta ativar no CC.