Anúncios

Arquivo da categoria: Aconteceu comigo

Dicas de gestão financeira para não-financeiros

Eu tenho percebido que a maioria das pessoas não tem uma estrutura financeira estável e que ter dívidas, vários cartões estourados e o nome sujo, são coisas comuns.

A situação está difícil – tanto no Brasil como em Portugal como em vários outros lugares que têm impostos e taxas pesadas, alto custo de vida, mau gerenciamento governamental, desemprego, e onde ter alguma qualidade de vida tem um preço alto quando comparado aos salários da população. Portugal está melhorando, dizem, mas eu noto que até pessoas com salários razoáveis, bons empregos, têm tendência a se endividar. Falta educação financeira de uma forma geral.

Eu não sou da área financeira nem de perto, já tive dívidas, já passei muito perrengue mas aprendi na marra e escrevo tudo o que está abaixo como dica. Siga todos os conselhos, não siga nenhum, siga conselhos de outros mas tenha mais controle, seja mais consciente do que está fazendo com seu dinheiro, para poder aproveitar mais no futuro.

Com o que está gastando seu dinheiro?

O que eu mais percebo é que as pessoas nem sabem direito com o que estão gastando. Não existe melhora sem conhecimento.

A primeira coisa que eu fiz que eu fiz quando percebi que estava em apuros financeiros e decidi mudar essa situação foi criar um Excel onde eu pudesse anotar, por categorias, tudo o que estava gastando e poder ver para onde estava indo meu dinheiro. Eu uso esse mesmo método até hoje, continua básico e simples de usar, se quiser pode baixar aqui – Financas. Tem 4 “áreas de controle”.

A primeira são as Entradas, o dinheiro que recebo seja do meu salário ou “outros” – o que sobrou do mês passado na sua conta corrente, ou para quem tem retornos de investimentos, recebe renda de algum aluguel, pensão do ex-marido, aposentadoria de pai, seja o que for.

Depois coloco as Saídas, os gastos, basicamente. Eu coloco uma divisão entre saídas em dinheiro e as do cartão de crédito, que é a 3a área de controle. Então essas primeiras Saídas são apenas em dinheiro. Dentro dos gastos eu faço uma separação das categorias que eu acho que melhor se aplicam na minha vida:

  1. Casa: aluguel, manutenção, água, luz, telefone, etc.;
  2. Carro: gasolina, serviço, inspeção, etc.;
  3. Mercado e Refeições: tudo o que eu gasto com comida, seja no mercado ou fora;
  4. Cachorros e Saúde: eu tenho dois cachorros, o que gasto de comida, veterinário, o que for de despesa deles e da minha saúde, farmácia, consultas, etc.;
  5. Lazer e Viagens: passeios, saídas, no meu caso bilhetes de avião já que moro fora, etc.;
  6. Cartão de crédito: a conta inteira do cartão que vai vencer no mês em questão;
  7. Poupança: o valor que pretendo e posso poupar a cada mês;
  8. Transferências: dinheiro que mando para a família; e
  9. Outros e Presentes: despesas que não são essenciais, como doações, presentes de aniversário, manicure, roupa, etc.

Em seguida temos as Saídas em Cartão de Crédito. As categorias usadas são as mesmas das Saídas em dinheiro retirando os pontos 6, 7 e 8 . Essa separação de saídas me permite ter um controle do que eu estou gastando onde e ter visibilidade total do que esperar na minha fatura do cartão. Como vocês sabem, a fatura do cartão tem 30 dias de crédito então, quando a fatura do cartão fecha para o mês de Janeiro eu coloco esse valor na parte da Saída em dinheiro do mês de Março.

A 4a área do meu controle é apenas um somatório do que foi gasto em cada uma das categorias de uma forma mensal e depois anual, que me permite ter uma visão geral das minhas despesas.

Cada coluna do Excel representa um mês, e o que eu faço todas as manhãs é abrir esta planilha e adicionar todas as despesas que eu paguei no dia anterior nas sua áreas respectivas.

Esse foi o método que funcionou para mim, porém tem vários outros, o importante é você ter noção do que está fazendo com o seu dinheiro. Você pode anotar seus gastos num aplicativo como o Gastos Simples, Agora Sobra, Wallet, Fast Budget, e muitos muitos outros. Não sabe usar isso, sem problema, se organize, arrume um caderno que sirva de diário de despesas, anote tudo lá e faça suas contas.

Esse exercício é essencial. Se você não sabe exatamente com o que está gastando, nunca vai conseguir controlar e cortar gastos, não vai poupar o que deve poupar para sair do aperto mais na frente.

Quando tiver completa visibilidade das suas despesas, analise-as. Veja se tem alguma coisa que você pode cortar, reduzir, e colocar na sua Poupança em vez de gastar. Abra uma conta poupança separada e comece com 50 reais, 20, 10, não importa, isso é pro futuro. 10 reais por mês são 120 reais por ano e 240 a cada 2 anos. E eu aposto, que se você se acostumar a poupar e vir esse número crescer pouco a pouco, em breve estará poupando 20 em vez de 10. Em breve estará recebendo juros e acumulando seu dinheiro.

O objetivo de tudo o que eu disser nesse post é aumentar cada vez mais o número que diz “Poupança”, isso é tudo em que você deve focar. Porquê? Para que você consiga poupar o suficiente para ir limpando e diminuindo suas dívidas até ser livre, e para que no futuro quem sabe não precise se endividar nem ficar no aperto quando uma despesa inesperada acontece porque tem dinheiro pra cobrir.

Consolide sua dívida

Você tem dívidas em 3 cartões de crédito, 5 empréstimos aqui e ali? Comece por pegar seus 3 cartões e destruir 2 deles, senão todos. Fique apenas com um cartão de crédito no máximo, para emergências. Autocontrole é chave, não adianta destruir 2 cartões e ir aplicar um novo no dia ou no mês seguinte. Cartão de crédito tem que ser usado com muito cuidado, nem você nem ninguém precisa de mais do que 1.

A mesma coisa com esses empréstimos que se tiram por aí. A maioria dessas casas que oferecem empréstimos fáceis são quase agiotas licenciados. Você pega 100 reais emprestados e paga 250. Juros altíssimos, que parecem só fazer aumentar as dívidas, por mais que você pague. Então chega, se comprometa a parar com esse círculo vicioso, por mais sacrifício que tenha que fazer.

Em seguida, vá no seu banco fale com o seu gerente e diga que quer consolidar sua dívida. Corte os cartões na frente dele se preciso, leve os extratos dos seus empréstimos e pergunte se o banco pode “comprar sua dívida”. Ou seja, o banco paga todos os seus cartões, seus outros empréstimos, e você fica apenas com uma dívida maior em um banco. Eu sugiro que isso seja feito no banco em que você recebe, porque como têm acesso às suas contas é mais fácil ser aprovado. De jeito nenhum faça isso numa dessas casas de financiamento fácil.

Claro que se o banco achar que sua dívida é muito extensa ou que você não é um bom pagador não vão aceitar, mas tente, o máximo que você pode levar é um não. Se você conseguir, um valor acessível, que você consiga pagar mensalmente sem passar fome deve ser estipulado e deduzido diretamente do seu salário.

Se o banco negar, não se desespere. Quando você começar a controlar seus gastos, parar de fazer novas dívidas, tiver cuidado com o uso do cartão de crédito e começar a poupar nem que seja 10 reais por mês, mesmo sem uma dívida consolidada, e claro demorando mais, você irá sair do sufoco.

Viva de acordo com suas possibilidades

Já ouviu dizer que quem não tem dinheiro não tem vícios? Pois então. Se você não tem dinheiro e está sempre endividado, a primeira coisa (e a mais difícil), é parar de gastar com coisa fútil. Em vez de beber 5 cervejas, bebe 1, fuma menos, compra menos roupa (ou nenhuma por um tempo), aprende a fazer sua própria unha, seu cabelo, limpe sua própria casa, faça sua comida em casa.

Pare de ter vergonha, pare de querer ser o que você não é. Não tem dinheiro para sair, fale pros seus amigos que tá apertado e vai ficar apertado durante uns tempos e que não vai dar pra sair. Seus amigos de verdade vão te chamar na casa deles e te oferecer uma cerveja, ou ficar apenas trocando ideia, sem problema. Diversão é importante mas sempre tem uma opção mais barata de diversão e em época de sacrifício, sacrifícios têm que ser feitos.

Esquece o tênis da moda ou a lupa da vez. A casa tá cara? Mude pra uma menor, mais barata, o importante é ter um teto; tenha menos coisa em casa pra manter. Carro tá consumindo muito? Vende e compra um mais em conta, considere ficar sem carro e usar o metrô se tiver na sua rota. Tudo isso é besteira, você não precisa disso. O que você precisa é de deitar a cabeça na almofada sem estresse.

Comece cortando o fútil, o extra, o que é apenas imagem. Mantenha apenas o essencial. Entenda que tudo isso é um sacrifício temporário, em breve você estará se divertindo mais do que imagina porque estará livre de dívidas e com as costas leves.

 Aprenda a usar o cartão de crédito a seu favor

Como eu havia dito, tenha apenas 1 cartão de crédito. Coloque um limite nesse cartão que não passe de um salário e meio seu e tente colocar a data da fatura para dia 30 ou 31 de cada mês. Depois da fatura ser emitida, ela tem um período de crédito de 30 dias, o que quer dizer que você usa por exemplo o mês de Janeiro, a fatura sai dia 31 de Janeiro e apenas terá que pagar no início de Março.

Não pode esquecer que durante o mês de Fevereiro você pode ter que usar o cartão, embora não tenha pago ainda Janeiro, então, o crédito que você consumiu em Janeiro ainda está pendente. Muito cuidado para em Fevereiro não estourar o limite do cartão. Quando você passa o limite o banco cobra taxas de juro extra no seu cartão, você será penalizado e aumentará sua dívida a troco de nada – isso é dar dinheiro de graça pro banco.

Além disso, cartões de crédito têm juros. Se você não paga a fatura do cartão na totalidade, o banco irá cobrar juros sob o valor que não foi pago e acrescentar na sua fatura seguinte, ou seja, sua dívida cresce. Gaste no cartão apenas o que consegue pagar na totalidade. Provavelmente isso não será possível logo de cara mas comece gastando o mínimo e pagando o máximo possível da sua fatura, eventualmente chegará numa posição de equilíbrio.

Um outro conselho é que não pague mais do que o valor da sua fatura. Sobrou dinheiro? Joga na poupança, deixa a fatura do cartão para pagar quando chegar a hora, no valor certo da totalidade da fatura. Pagar adiantado não traz vantagem nenhuma para você.

Tente escolher um cartão com juros o mais baixo possível e que tenha algum benefício extra, como pontos de supermercado, desconto em gasolina ou transportes públicos, seja o que for que você pode aproveitar depois. Se tiver um cartão que tem juros muito muito baixos mas não oferece nada, pegue esse mesmo, pelo menos até estar livre de dívidas.

Existem muitas opções de cartão crédito, leia as letrinhas pequenas dos contratos, faça muitas perguntas, investigue, pesquise na Internet, pergunte para um amigo, se informe bastante e escolha o melhor para sua condição financeira e para os seus tipos de gastos.

Escolha uma estratégia financeira

A minha funciona mais ou menos assim: recebo meu salário, pago as minhas despesas essenciais, a fatura inteira do cartão de crédito, coloco o máximo que der na poupança e fico com o mínimo na minha corrente. Funciona comigo pois aproveito os pontos do cartão sem nunca pagar multas, fico com o mínimo possível na mão porque sei que o que tá na mão voa fácil e coloco tudo o resto na poupança porque “dói” mais para tirar depois.

Tem gente que prefere não usar cartão – se você não sabe usar direito, melhor não ter mesmo; uns preferem ir pagando as dívidas aos poucos, outros preferem juntar dinheiro e quitar de vez (desde que a dívida não aumente pode ser bom, pode negociar o valor se pagar de vez); enfim, existem várias estratégias possíveis.

Pense, pesquise, decida o que melhor se adapta a você siga sempre a mesma estratégia porque vira hábito. Tal como malhar, você se acostuma e fica cada vez mais fácil e menos doloroso. O objetivo é sempre pagar todas as responsabilidades e dívidas em vez de acumular, e aumentar o número da sua poupança.

Se possível, aumente seu rendimento

Agora que você já reduziu suas despesas, sabe para onde seu dinheiro está indo, tem uma estratégia para pagar sua dívida e aumentar sua poupança, a única coisa que resta fazer é aumentar seu rendimento.

Gosta de cozinhar? Pode vender marmita, doces, salgadinhos; pessoas mais criativas podem ajudar em decoração de eventos ou casas, quartos de bebê; pode fazer um serviço extra pintando parede, dirigir Uber , costurar em casa, fazer artesanato para vender, investir em galinhas e vender ovos, plantar uma horta e vender verdura, trabalhar num bar recolhendo copo ou até quem sabe simplesmente se colocar no mercado e tentar achar um emprego com mais benefícios (em paralelo com seu trabalho, não vá se demitir de um emprego por coisas incertas).

Eu tinha meu emprego durante a semana e me inscrevi como promotora de eventos em várias agências e também numa empresa de cerimonial. Enquanto meus amigos estavam na farra, eu fiquei muitas noites trabalhando, entregando folheto ou fazendo promoção e muitos finais de semana em casamentos, trabalhando feiras, eventos, etc. Perdi farra mas sabe o que eu ganhei? Dinheiro. Complementei minha renda como pude e aos poucos fui me estabilizando. Requer esforço e sacrifício, cansa, e às vezes dá vontade de largar tudo mas vale a pena, tem muito mais anos aproveitando depois do que distribuindo folhetos.

 

 

Anúncios

5 dicas para quem quer morar nos Emirados

É um país difícil para novatos. Principalmente por ser tão caro, aqueles que vêm na aventura, sem nenhum plano e apenas com a esperança de achar algum emprego, normalmente gastam suas reservas e vão embora pior do que chegaram.

Dica no. 1 – Inglês

Mesmo que você falasse Árabe perfeitamente, os Emirados têm muitos expatriados, aliás a população é não-Árabe em sua maioria então, se não souber falar Inglês direito, as coisas mais simples como pedir comida num restaurante serão bem complicadas.

Pratique seu Inglês, faça cursinhos online ou o que puder fazer para deixar seu Inglês mais fluente e o menos abrasileirado possível. Línguas adicionais são um plus, como o Espanhol, Francês, Alemão, etc, mas o Inglês é obrigatório.

Dica no. 2 – Comece a procurar trabalho antes de chegar 

Muitas empresas contratam gente que não mora aqui, então é comum aceitarem entrevistas por Skype ou por telefone e às vezes pagam até sua passagem pra você fazer a entrevista pessoalmente. Então o ideal é que você já venha com algo alinhado. Comece por:

  • O LinkedIn é uma das melhores e mais usadas ferramentas de recrutamento nos Emirados. Dê aquele grau no seu CV (em Inglês, óbvio) e poste no LinkedIn. Foto profissional, que mostre toda sua cara mas nada de decotes, bebida na mão etc, deixa isso pro teu Facebook;
  • Se inscreva em sites de emprego no UAE, como monster.com, bayt.com, dubbizzle.com, monstergulf.com, gulftalent.com;
  • Se inscreva nos sites das agências de recrutamento – a Robert Half por exemplo é boa para profissionais que trabalham com Financeiro, a Charterhouse, assim como a Hays, é melhor para pessoas de Administração. Existem várias, MacKenzieJones, McGregor-Boyall, etc.;
  • Aplique nos sites das empresas de seu interesse. Se por exemplo você quer trabalhar com hotelaria, faça uma pesquisa no Google, veja as centenas de hotéis que existem aqui e saia aplicando diretamente nos sites dos hotéis.

Nota: tenha certeza que seu perfil é consistente em todos os canais, posts, etc, não vá cometer o erro básico de dizer uma coisa no seu CV e outra no seu LinkedIn. Os meios se consultam, cuidado para não mentir e perder a reputação de cara.

Se você já sabe que vem para os Emirados de todo jeito e não está esperando ser contratado para poder ter patrocínio na passagem, uma outra dica é colocar seu endereço como se já estivesse aqui. Isso facilitará e aumentará suas chances com aqueles que querem contratar apenas pessoas que já moram nos Emirados. Se te ligarem, você pode sempre dizer que está de férias ou teve que voltar para resolver alguma coisa mas estará de volta no dia X da sua passagem.

É muito importante achar emprego logo. Além de ser um lugar muito caro em que você não vai conseguir se sustentar muito tempo sem uma fonte de renda, é preciso visto para morar e apenas consegue com um emprego ou casando com alguém que tenha visto e possa ser seu sponsor. Se não arrumar emprego, já sabe, o truque é casar logo rsrs.

Ah, e não pense que só porque vem para os Emirados vai chegar sentado(a) em petrodólares como eu sempre escuto porque isso é a maior besteira do mundo. A menos que você já tenha uma carreira brilhante e venha recrutado especificamente por essa carreira, já com tudo mais do que certo, você vai começar por baixo como todo mundo. Se ganha mais aqui do que aí? Ganha sim, mas se gasta muuuiiiitttooo mais também. Você vai penar de todo jeito, ter que comer pão e danone vários dias e viver de salário em salário vários meses ou até anos. A diferença é que se você for profissional, qualificado(a), dedicado(a) e se adaptar rápido, você provavelmente terá uma escalada mais rápida do que no Brasil. Além de ser mais seguro, limpo, etc etc

Dica no. 3 – Procure fazer amigos antes de chegar

Como disse, é um lugar difícil. Se você não conhece ninguém provavelmente se sentirá bastante sozinho(a) e até meio deprimido no início. Se inscreva em grupos de pessoas que moram aqui, como o Brasileiros em Dubai, ou o InterNations, existem vários e são facilmente encontrados no Facebook, Google. Eles sempre organizam eventos, cafés, jantares, festas. Você pode se inscrever antes de chegar, ir conversando com as pessoas pela Internet e quando chegar já se sentirá mais à vontade e terá uma base de conhecidos.

Participe de todos os eventos que puder pelo menos uma vez. Esses grupos são ótimos para fazer contatos profissionais e os Emirados funcionam muito por indicação, é bem possível que uma dessas pessoas seja a pessoa que te indica o caminho certo e você terá a oportunidade de fazer novos amigos.

Acredite que até com amigos você se sentirá sozinho às vezes. Aqui todo mundo trabalha muito, é comum passar 10, 11 horas no trabalho por dia e agendas ficam difíceis de conciliar, então, é importante que tenha diversos grupos de amigos, faça atividade física, namore, viaje, curta bem muito os momentos fora do trabalho para não ficar excessivamente isolado(a).

Dica no. 4 – Venha com algum dinheiro

Ai, como é caro aqui. Tudo é caro mas acomodação nem se fala! Se você não conhece ninguém e também não tem emprego, é melhor trazer um bom dinheiro de poupança ou então nem vir, corre um sério risco de gastar tudo e ter que voltar sem nada ou terminar dividindo quarto (não é apartamento não, você leu bem, quarto) com mais 4 indianos(as).

Se você conhece alguém e tem onde ficar, agradeça. Isso já é uma ajuda enorme, que vai te poupar bastante dinheiro e dor de cabeça. Os aluguéis aqui são extremamente caros e em sua maioria pagos adiantadamente por um ano. Em alguns casos você consegue negociar pagar em até 4 vezes por ano mas os cheques têm que ser todos entregues na assinatura do contrato. Além disso existem depósitos de segurança que têm que ser pagos para ativar a água+luz, ar condicionado (não dá pra viver sem aqui), TV+ Internet etc. Quando você aluga um apartamento ainda tem que pagar 5% do valor do aluguer pra o agente imobiliário e um depósito de segurança ao senhorio de também 5%. Tendo em consideração que um apartamento de apenas um quarto em áreas razoáveis anda entre 45 – 65 mil reais por ano, já viu né?

Frutas e comida são em geral mais caras do que no Brasil e em Portugal, bebida alcoólica é caríssima. Carros, gasolina e com certeza eletrodomésticos, celulares, computadores e afins são mais baratos do que no Brasil mas não porque é barato aqui e sim porque no Brasil é uma roubalheira. Preços desses items saem a mesma coisa do que em Portugal. Ouro, diamantes, pérolas, jóias, também são mais baratas, mas quem tem dinheiro para isso quando chega?

Sharjah, Ajman, Ras Al Khaimah, Fujairah e Umm Al Quaimm são os Emirados mais baratos, Dubai e Abu Dhabi são os mais caros mas também os mais interessantes e mais liberais para morar. Se quer vir para cá mas não consegue se sustentar nas capitais, estudar os Emirados mais baratos pode ser uma boa ideia. Sharjah é um dos Emirados mais restritos, lá não se pode beber álcool nem em hotéis, então estude bem as opções antes de fazer suas escolhas, o amigo Google ajuda.

Dica no.5 – Se prepare para perder momentos especiais

Parece meio óbvio e não é uma dica específica aos Emirados mas quando você sai do seu país, deixa sua família para trás e está num lugar novo, sem muitos amigos, é bastante normal sentir saudade claro, tristeza também. Isso pode ser bem pior em dias especiais como aniversários, casamentos, nascimentos, batizados, falecimentos, Natal, etc.

Eu já vi muita gente pirar e querer desistir ou desistir mesmo por não conseguir ficar longe da família. Não tem como não sentir as coisas mas, venha bem consciente que é impossível você presenciar tudo. Talvez você consiga planejar pra ir no aniversário de 80 anos da sua avó mas vai perder o casamento da sua melhor amiga, sempre vai ser assim, você sempre vai perder alguma coisa.

Tente racionalizar isso de antemão, entender que você fez uma escolha e que existem prós e contras nessa escolha, o maior dos contras sendo justamente esse, você não estar lá em todos os momentos importantes. Se isso te parece impossível de ultrapassar, fique por aí mesmo. Saiba que com o tempo você vai se acostumar e vai construir sua vida em outro lugar mas nunca desaparece e sempre deixa um pouco de culpa. Morar fora não é para todos.

 


Se você não existisse, que falta faria?

Perfeito!


Dicas de profissionalismo e eficiência

Profissionalismo, para mim, significa saber aplicar bom senso no seu trabalho, nas relações com seus empregadores, funcionários e colegas, respeitando e fazendo o melhor que você sabe e pode fazer, para atingir os objetivos comuns do grupo.

Se quer ser mais profissional e eficiente, aqui ficam algumas dicas:

Seja pontual. Chegar 5 minutos antes da hora marcada é o ideal. Se chegar no local 30 minutos antes, aproveite para rever alguma coisa importante. Atrasado(a), nunca! Você deve se programar direito e evitar colocar pressão nos outros para lhe receber mais cedo ou atrasá-los para seus próximos compromissos. É falta de respeito.

Veja a cena completa. Tente entender o objetivo geral das suas funções e responsabilidades. Se colocar sua visão no objetivo final, então tudo o você fizer, da mais pequena das ações, estará alinhado com esse objetivo e você será muito mais eficiente.

Seja Proativo. Se você conseguir ver a cena completa como dito acima, não lhe faltarão idéias para melhorar processos, criar novos produtos e tornar seu trabalho ou o trabalho do seu time melhor, mais fácil e mais eficiente. Sugira melhoramentos, faça mudanças, teste, aplique, não fique parado!

Apresente soluções. Não leve problemas sem antes pensar em ou pesquisar soluções. Você é pago pela sua capacidade e experiência, para que ajude a resolver problemas e não para que os crie. Existem decisões que você não pode tomar, mas antes de levar um problema a alguém, pense nas possíveis soluções e as apresente junto com o problema. Se é algo óbvio ou para o qual você não precisa de autorização (tipo chamar os bombeiros em caso de fogo), então primeiro acione a solução e depois informe seus superiores, eles lhe darão idéias ou instruções adicionais, mas pelo menos você já começou a resolver o problema.

Tenha postura. Nunca se esqueça que seus colegas podem ser seus amigos mas são seus colegas. Quanta gente vai para aquela festa de final do ano da empresa e se entope de cachaça até sair bamboleand0 no chão? Aproveita que é de graça, né? Não se esqueça que estão na farra hoje mas amanhã não deixam de ser seus colegas, chefes, etc. Não danifique sua imagem profissional por prazeres momentâneos, tenha postura, saiba se comportar e manter a linha.

Seja adaptável. Tem um gerente novo, mudou de escritório, está sendo transferido, tem uma nova posição dentro da empresa, chegou um coleguinha estrangeiro com uma cultura completamente diferente. Sempre tem alguma coisa mudando no mundo, porque o mundo gira. Seja maleável, saiba procurar afinidades em vez de se focar em disparidades. Aprenda a lidar com as pessoas e situações mesmo que sejam novidades para você, seja fluente. O mundo está cada mais globalizado e em movimento, quem fica parado fica para trás. Aprenda e evolua, dentro e fora do trabalho.

Observe e aprenda. Estudar não significa só engolir livros ou ir para a universidade, fazer curso. Estudar significa se inteirar do que está à sua volta e ter curiosidade de saber mais, de pesquisar, de procurar entender melhor e aprender coisas novas. Abra sua cabeça, se mantenha ciente do seu ambiente, do seu mundo. Leia as notícias, livros, vá no Google, observe as pessoas a sua volta, aprenda com as experiências dos outros e mantenha uma curiosidade saudável sobre as coisas. Seja uma pessoa interessante, com quem os outros gostam de conversar porque você tem conteúdo e se transforme numa referência para aqueles que procuram orientação.

Seja honesto e confiável. Seja transparente, sem rodeios. Não seja egoísta, não procure só o melhor para você mesmo, pense no coletivo. Quando lhe fizerem uma pergunta, seja sincero na resposta – não precisa ser rude mas seja sempre sincero. Isso fará com que as pessoas se dirijam a você para uma opinião honesta, e em posições mais altas de qualquer empresa, se você não tiver a confiança de todos, você não chega. Seja uma pessoa de confiança.


A coragem de pedir desculpa

Há uns anos atrás, tive um pequeno problema com uma menina. Ela chegou uns meses antes de mim em Dubai e veio para morar com seu então namorado, hoje marido e pai de seu filho.

Talvez porque na época ela não tinha um inglês fluente, ficou algum tempo sem arrumar emprego, fazia aulas de inglês mas era basicamente isso. Sua vida era focada, e em volta, da de seu namorado. Seus amigos eram amigos dele que viravam dela, etc. O Dubai daquela época não era o Dubai de hoje. As opções de entretenimento eram limitadas, as coisas eram diferentes e com certezas mais difíceis.

Foi ela que me pegou no aeroporto no dia em que eu cheguei, me recebeu com um belo sorriso e com um cartaz que ela mesmo fez. Embora eu seja um papelzinho de embrulhar prego e ela o meu oposto – sempre delicada, voz meiga – eu a achava divertida e era gostoso quando saiamos juntas, achei que seriamos boas amigas. Talvez também pelo fato de eu ter chegado com 23 anos num lugar totalmente desconhecido, achei que teriamos a nossa situação em comum, e nisso um suporte. E na verdade foi assim que começou.

Fazíamos tudo juntas: sempre estávamos nas mesmas festas, nos mesmos jantares, nos mesmos eventos, cinemas, café, bares, pra terem noção, fui eu que ofereci o seu vestido de casamento.

No lado pessoal, eu estava tendo sorte! Arrumei emprego mais ou menos um mês após minha chegada, eu gostava do trabalho, das pessoas, tudo certo.

Um pouco depois do seu casamento, me arrisco a dizer quase no dia seguinte, tudo mudou. Por algum motivo que eu nunca soube explicar, de um dia para o outro ela parou de falar comigo e começou a vetar qualquer coisa em que eu estivesse envolvida.

Com nossos amigos em comum era – ou ela ou eu; me lembro numa festa que nos esbarramos e que quando eu fui cumprimentar levei uma bela virada de cara. O marido dela chegou a ir na minha casa, debaixo do meu teto, falar merda! Sinceramente já nem lembro muito bem das suas palavras, me lembro apenas de estar na sala pensando “Isso só pode ser brincadeira ou um sonho, não pode ser real”. Se fosse hoje provavelmente teria descido pela janela rs.

Quem me conhece um pouquinho fora do blog, deve estar pensando que estaria pouco me lixando pra tudo isso, não ligo pra nada do que ninguém pensa mesmo e normalmente nada dessas coisas me afecta. E em 98% dos casos estariam certos. Nesse não.

É que essa situação especifica, de acordo com a minha condição naquele tempo, também porque era muito nova, não tinha muitos amigos em Dubai e não sabia lidar com essas coisas (nunca tinha acontecido comigo antes), foi extremamente complicada. Me trouxe muitas brigas, muita tensão, muito sofrimento porque tive que me defender de ataques de todo o canto sozinha e sem nem sequer saber o que tinha feito. E isso era o que mais me incomodava – eu não sabia o que tinha feito, sequer se tinha feito alguma coisa! Eu vasculhei o meu cérebro inteiro, tanto! Tentando lembrar se tinha falado algo, feito algo, mexido, olhado, cheirado alguma coisa que não devia, sei lá. E nao achava!

Mas claro que eu sempre serei eu e como tal, passado alguns meses de tensão, liguei o que eu gosto de chamar o “foda-se”. Sacudi, deixei bem claro que não queria saber, não me interessava, não queria nem bem nem mal, ia apenas ignorar e fingir que não existe, como se fosse um vizinho que se vê passar no corredor mas nem fede nem cheira. Eu interiorizei que o que quer que fosse, tinha sido imaturidade, besteira, bobagem, talvez algum ciuminho e botei de lado.

O post é sobre essa pessoa, que passados quase 6 anos me mandou uma mensagem pedindo desculpa. Mas mais importante ainda, que finalmente explicou o que aconteceu e admitiu que não teve nenhum motivo especifico, foi “apenas” o fato de estar afastada de sua casa, sem emprego há meses, morando num lugar isolado, se sentindo desanimada e sem se reconhecer mais, com energia apagada. Quando eu cheguei toda serelepe, cheia de planos e entusiasmada, o seu lado mais humano se manifestou e ela começou a não me suportar e terminou envolvendo outras pessoas, incluindo seu esposo.

Achei que faz sentido. Na verdade até me identifiquei um pouco. Imagino que o que ela estava sentindo foi mais ou menos o que eu senti quando morei em São Paulo e fiquei sem trabalhar por uns meses numa cidade completamente desconhecida e sem amigos. Embora eu não tenha prejudicado ninguém, fez perfeito sentido que ela se sentisse negativa, pra baixo, irreconhecível. E ás vezes podemos machucar os outros quando estamos assim.

Obviamente ela sentiu alguma culpa todos esses anos. Imagino que deve ter pensando durante muito tempo como falar comigo, como explicar, como dizer. Admiro que tenha conseguido faze-lo. Penso que muita gente não teria nem tem coragem, deixaria passar, esperaria desaparecer no tempo. E depois de tanto tempo, já teria desaparecido, pra mim já tinha desaparecido, ela já estava desculpada.

Esse post é para dizer que afinal aquela pessoa que eu tinha conhecido e me recebeu no aeroporto com um sorriso, é a verdadeira essência e que assim como me ensinou uma lição não tão boa antes, me ensinou uma muito mais importante agora – nunca é tarde para pedir desculpa.