Anúncios

Arquivo da tag: Curiosidades

Sangue de Bombay

Provavelmente você já ouviu falar sobre tipos sanguíneos – A, B, AB, O – mas você sabia que existe um outro, o de Bombay (oficialmente hh)?

hh é o tipo sanguíneo conhecido mais raro. O fenótipo foi descoberto em 1952 pelo Dr. Y. M. Bhende em Mumbai (antigamente chamada de Bombaim), na Índia.

O Dr. Bhende tinha 2 pacientes que precisavam de transfusões sanguíneas – um vítima de uma facada e um operário de ferrovia – mas nenhumas das transfusões de sangue estava funcionando, o sangue deles se aglomerava assim que entrava em contacto com o dos doadores. O time médico testou 160 doadores até finalmente acharem um, de um residente de Bombaim, que era compatível com ambos os pacientes.

Este raro fenótipo está presente em apenas 0.0004% da população humana (4 em 1 milhão), apesar de algumas regiões como Mumbai na Índia, chegarem a ter ocorrências de 0.01% (1 em 10,000). No Brasil, apenas são conhecidas 11 famílias que têm Sangue de Bombay.

Devido à sua raridade, os bancos de sangue dificilmente têm stock, o que coloca as pessoas que precisam de transfusões urgentes em um risco elevado. 

Agora um pouco de biologia beeeemm sucinta: o nosso sangue tem glóbulos vermelhos (entre outros tipos de células que não são relevantes agora) que estão num fluído chamado plasma. Estes glóbulos vermelhos têm nas suas superfícies moléculas chamadas de antígenos, que induzem a formação de anticorpos quando uma ameaça é reconhecida pelo sistema imune.

Desses antígenos o H é o mestre, porque é a partir dele que são gerados todos os outros. Para o obtermos, uma enzima chamada de enzima activa H precisa transformar a substância precursora em antígeno H. A peculiaridade das pessoas com tipo sanguíneo hh é que elas não produzem a enzima activa H, o que significa que não têm o antígeno H e por consequência, nenhum dos outros.

Tirando o antígeno H que está implícito, quando dizemos que alguém tem sangue tipo A ou B, queremos dizer que essa pessoa tem antígenos tipo A ou B e anticorpos do tipo B ou A, respectivamente, em seu sangue. Pessoas com AB (receptores universais), tem antígenos do tipo A e B em seu sangue e não têm anticorpos. Pessoas do grupo O (dadores universais) têm anticorpos A e B e não antígenos (exceto H).

Grupo Sanguíneo Antígenos Anticorpos
A A,H B
B B,H A
AB – receptores universais A,B,H
O –  dadores universais H A,B
Bombay A,B,H

 

O grupo de pessoas com fenótipo hh pode doar sangue para todas as pessoas dos grupos ABO mas só pode receber do grupo hh. Em testes de sangue convencionais, o grupo hh pode ser confundido com o O, já que ambos produzem anticorpos para A e B. Para detectar Sangue de Bombay, ou Falso O como também é chamado, deve ser realizado um teste específico com anticorpos anti-H.

Acredita-se que este fenótipo surgiu com a reprodução dentro da mesma linhagem, em casamentos consanguíneos ou em comunidades muito fechadas, em que o pool genético era bem restrito, e então é provável que as pessoas com Sangue de Bombay tenham uma origem ancestral comum.

Anúncios

Filha de Nigerianos nasce loirinha e de olho azul

article-1299011-0A9D050C000005DC-458_468x641” É um bebê milagre!” diz a mãe de 35 anos, Angela Ihegboro. Ela e o marido Benjamin, quando viram a pequena Nmachi pela primeira vez (que significa Beleza de Deus na sua língua nativa), ficaram perplexos.

Ambos Nigerianos, de pele escura, cabelos e olhos pretos, e tendo já outros dois filhos, Dumebi e Chisom, com mesmas características físicas, não esperavam que o seu terceiro milagre fosse uma menininha loirinha, de cabelo cacheado e olhos azuis.

“É claro que ela é minha, minha mulher é fiel” diz o pai, “e mesmo que não fosse, a bebê não sairia assim”.

A menina Nmachi é realmente um milagre! Médicos e cientistas genéticos estão em volta dessa família para entender como isso é possível. É que essa situação nunca aconteceu antes, ou pelo menos, nunca foi registrada antes.

Existem casos em que filhos apresentam algumas características de outra raça, normalmente trazidas pela genética de antepassados não tão distantes mas, de acordo com ambos os pais, em nenhuma das famílias existem antepassados brancos.

O mais óbvio seria a menina ser albina, porém essa hipótese foi descartada ainda antes da família sair do hospital. Então, como é possível?

Até agora, as causas apontadas como mais prováveis são:

  • A menina sofreu uma mutação genética – não herdada dos genes dos pais, tendo acontecido nela apenas – durante os estágios de formação e desenvolvimento do embrião. Se for esse o caso, os descendentes da menina irão herdar essa mutação também;
  • Genes de familiares antepassados brancos foram carregados por várias gerações de ambos Angela e Ben de forma silenciosa, tendo se manifestado na pequena Nmachi; ou
  • Existe a possibilidade de ser uma nova forma de albinismo, uma variação ou alguma condição genética com sintomas semelhantes, ainda desconhecida.

O pai, encantado com sua pequena diz que gostaria de saber porquê ela é tão branquinha mas que “não importa se é menina ou menino, branca, preta, amarela ou azul, o que importa é que ela é linda e saudável”.

Testes genéticos irão ser realizados e já podemos antecipar uma nova descoberta. E quão entusiasmante pode ser!

A teoria da evolução sugere que somos todos descentes de africanos. Será que os primeiros brancos foram “milagres” como a bebê Nmachi? Será que foi assim, do nada, sem razão aparente, que os caucasianos “apareceram” no pedaço?


Japão e os tipos de sangue

Famoso pelas suas extravagâncias e peculiaridades, o Japão tem uma cultura própria bem demarcada e diferente de qualquer outra – extremamente trabalhadores e para eles palavra é tudo. São criativos com suas roupas extravagantes e uso de cores fortes nos cabelos, unhas, roupas e acessórios.

Inteligentes, conhecidos como crânios da tecnologia, matemáticas e na verdade, de quase tudo, têm “bizarrices” (leia-se: coisas bem diferentes das nossas) difíceis de igualar, eu os considero um povo surpreendente e divertido.

Fato curioso é que no Japão as pessoas se “classificam” por tipos de sangue. Basicamente os japinhas consideram que o tipo de sangue influencia diretamente o temperamento e a personalidade, sendo até um dos critérios de contratação em certos empregos.

Cerca de 40% da população Japonesa é tipo A, 30% tipo O, 20% tipo B e apenas 10% são AB.

De acordo com a crença popular as pessoas de:

· Tipo A são sensíveis e perfeccionistas, bons para trabalho em equipe mas muito ansiosas;
· Tipo O são curiosos e generosos mas teimosos;
· Tipo ABs são criativos mas misteriosos e imprevisíveis;
· Tipo B são animados mas egocêntricos, individualistas e egoístas.
Há várias publicações sobre o assunto, os programas matinais muitas vezes têm uma leitura estilo de horóscopo só que para o tipo sanguíneo, sites de relacionamento levam os tipos de sangue em consideração e existem produtos específicos para cada tipo como: chiclete, refrigerantes, sais de banho.

Embora os cientistas tentem constantemente refutar esta crença, pois não há nenhuma prova que isso seja verdade, é ainda muito comum entre a população, mesmo aos mais altos níveis, tanto que, em Julho de 2011, o então Ministro da Reconstrução Ryu Matsumoto se demitiu após ser criticado por fazer alguns comentários insensíveis. Ele culpou o seu tipo de sangue:

“Gostaria de me desculpar por ter ofendido as pessoas nas áreas de desastre. Eu pensei que estava emocionalmente próximo das vítimas do desastre mas me faltaram palavras suficientes e o os meus comentários foram duros.”

“Meu sangue é do tipo B, o que quer dizer que posso ser irritável e impetuoso, e as minhas intenções nem sempre se vêm.”

“A minha mulher conversou comigo e eu penso que tenho que refletir sobre isso.”



Os Estados Unidos não têm um idioma oficial

Pode parecer estranho, mas é verdade! Os Estados Unidos da América não possuem uma língua oficial.

Cada estado pode ter leis próprias que colocam a língua que quiser como a sua oficial. O Inglês é o idioma nacional de facto (na prática) mas não há nenhuma língua oficial a nível federal ou em sua constituição, que a coloque de forma oficial.

Algumas leis, como os requisitos para naturalização, padronizam o inglês e exigem a fluência do mesmo. Há movimentos públicos e até no Senado federal que lutam pela oficialização. Porém, nunca chegou a ser feita uma lei que tornasse isso real.

Como cada Estado pode ter sua própria língua oficializada, 32 optaram pelo inglês. O Havaí opta pelo inglês conjuntamente ao havaiano. O Novo México possui lei que prevê o uso do inglês e do espanhol, como a Califórnia, que obriga documentos do governo a serem publicados também em espanhol. O Louisiana inclui o francês como oficial ao lado do inglês.

Vários territórios insulares concedem o reconhecimento oficial para suas línguas nativas, juntamente com o inglês: samoano e chamorro são reconhecidas pela Samoa Americana e Guam respectivamente; caroliniano e o chamorro são reconhecidos pelas Ilhas Marianas do Norte e o espanhol é a língua oficial de Porto Rico.

Cerca de 80% da população americana usa apenas o inglês em suas casas, e o espanhol é a segunda mais comum com 12% de utilização.


Como é um funeral Mulçumano?

Estava eu com meus queridos amigos num barzinho e entre vários assuntos discutidos surgiu a pergunta: Como é um funeral Mulçumano?

Estou aqui há já quase 3 anos e nunca ouvi falar no assunto, nem tinha pensado nisso até então mas agora que pensei, tive que descobrir. 🙂

Quando um Mulçumano está prestes a falecer (em casos que podem ser previstos), as pessoas mais próximas são chamadas para recitar versos do Corão, incentivar a reza e dar o máximo de conforto físico que puderem.

Se estiver em condições físicas e mentais de se pronunciar, as últimas palavras de um Mulçumano devem ser uma declaração de fé: “Eu sou testemunha que não existe Deus que não Alá”.

Os familiares devem ser pacientes e ter em mente que de acordo com o Islam, Alá é quem dá e tira a vida, quando Ele assim decide e que não cabe a ninguém questionar a Sua sabedoria, assim que, após a morte, os que estiverem com o falecido são encorajados a permanecer calmos, a rezar, e a começar imediatamente as preparações para o enterro.

Os olhos do falecido devem ser fechados e o corpo coberto temporariamente com um lençol limpo. É proibido gritar e fazer movimentos bruscos e exagerados mas é permitido chorar já que quando o filho do próprio Profeta Muhammad morreu, ele disse: “Os olhos derramam lágrimas e o coração está de luto, mas nós não diremos nada excepto o que agrada o nosso Senhor.”

Pela lei Islâmica, o corpo deve ser enterrado o mais rapidamente possível. Em preparação para o enterro, os membros da família ou da comunidade lavam o corpo com àgua perfumada e o cobrem com um pano branco chamado kafan. Se a pessoa morreu como mártir este passo não é executado, mártires são enterrados com as roupas em que faleceram.

Continue lendo