Anúncios

Arquivo da tag: Economia

Dicas de gestão financeira para não-financeiros

Eu tenho percebido que a maioria das pessoas não tem uma estrutura financeira estável e que ter dívidas, vários cartões estourados e o nome sujo, são coisas comuns.

A situação está difícil – tanto no Brasil como em Portugal como em vários outros lugares que têm impostos e taxas pesadas, alto custo de vida, mau gerenciamento governamental, desemprego, e onde ter alguma qualidade de vida tem um preço alto quando comparado aos salários da população. Portugal está melhorando, dizem, mas eu noto que até pessoas com salários razoáveis, bons empregos, têm tendência a se endividar. Falta educação financeira de uma forma geral.

Eu não sou da área financeira nem de perto, já tive dívidas, já passei muito perrengue mas aprendi na marra e escrevo tudo o que está abaixo como dica. Siga todos os conselhos, não siga nenhum, siga conselhos de outros mas tenha mais controle, seja mais consciente do que está fazendo com seu dinheiro, para poder aproveitar mais no futuro.

Com o que está gastando seu dinheiro?

O que eu mais percebo é que as pessoas nem sabem direito com o que estão gastando. Não existe melhora sem conhecimento.

A primeira coisa que eu fiz que eu fiz quando percebi que estava em apuros financeiros e decidi mudar essa situação foi criar um Excel onde eu pudesse anotar, por categorias, tudo o que estava gastando e poder ver para onde estava indo meu dinheiro. Eu uso esse mesmo método até hoje, continua básico e simples de usar, se quiser pode baixar aqui – Financas. Tem 4 “áreas de controle”.

A primeira são as Entradas, o dinheiro que recebo seja do meu salário ou “outros” – o que sobrou do mês passado na sua conta corrente, ou para quem tem retornos de investimentos, recebe renda de algum aluguel, pensão do ex-marido, aposentadoria de pai, seja o que for.

Depois coloco as Saídas, os gastos, basicamente. Eu coloco uma divisão entre saídas em dinheiro e as do cartão de crédito, que é a 3a área de controle. Então essas primeiras Saídas são apenas em dinheiro. Dentro dos gastos eu faço uma separação das categorias que eu acho que melhor se aplicam na minha vida:

  1. Casa: aluguel, manutenção, água, luz, telefone, etc.;
  2. Carro: gasolina, serviço, inspeção, etc.;
  3. Mercado e Refeições: tudo o que eu gasto com comida, seja no mercado ou fora;
  4. Cachorros e Saúde: eu tenho dois cachorros, o que gasto de comida, veterinário, o que for de despesa deles e da minha saúde, farmácia, consultas, etc.;
  5. Lazer e Viagens: passeios, saídas, no meu caso bilhetes de avião já que moro fora, etc.;
  6. Cartão de crédito: a conta inteira do cartão que vai vencer no mês em questão;
  7. Poupança: o valor que pretendo e posso poupar a cada mês;
  8. Transferências: dinheiro que mando para a família; e
  9. Outros e Presentes: despesas que não são essenciais, como doações, presentes de aniversário, manicure, roupa, etc.

Em seguida temos as Saídas em Cartão de Crédito. As categorias usadas são as mesmas das Saídas em dinheiro retirando os pontos 6, 7 e 8 . Essa separação de saídas me permite ter um controle do que eu estou gastando onde e ter visibilidade total do que esperar na minha fatura do cartão. Como vocês sabem, a fatura do cartão tem 30 dias de crédito então, quando a fatura do cartão fecha para o mês de Janeiro eu coloco esse valor na parte da Saída em dinheiro do mês de Março.

A 4a área do meu controle é apenas um somatório do que foi gasto em cada uma das categorias de uma forma mensal e depois anual, que me permite ter uma visão geral das minhas despesas.

Cada coluna do Excel representa um mês, e o que eu faço todas as manhãs é abrir esta planilha e adicionar todas as despesas que eu paguei no dia anterior nas sua áreas respectivas.

Esse foi o método que funcionou para mim, porém tem vários outros, o importante é você ter noção do que está fazendo com o seu dinheiro. Você pode anotar seus gastos num aplicativo como o Gastos Simples, Agora Sobra, Wallet, Fast Budget, e muitos muitos outros. Não sabe usar isso, sem problema, se organize, arrume um caderno que sirva de diário de despesas, anote tudo lá e faça suas contas.

Esse exercício é essencial. Se você não sabe exatamente com o que está gastando, nunca vai conseguir controlar e cortar gastos, não vai poupar o que deve poupar para sair do aperto mais na frente.

Quando tiver completa visibilidade das suas despesas, analise-as. Veja se tem alguma coisa que você pode cortar, reduzir, e colocar na sua Poupança em vez de gastar. Abra uma conta poupança separada e comece com 50 reais, 20, 10, não importa, isso é pro futuro. 10 reais por mês são 120 reais por ano e 240 a cada 2 anos. E eu aposto, que se você se acostumar a poupar e vir esse número crescer pouco a pouco, em breve estará poupando 20 em vez de 10. Em breve estará recebendo juros e acumulando seu dinheiro.

O objetivo de tudo o que eu disser nesse post é aumentar cada vez mais o número que diz “Poupança”, isso é tudo em que você deve focar. Porquê? Para que você consiga poupar o suficiente para ir limpando e diminuindo suas dívidas até ser livre, e para que no futuro quem sabe não precise se endividar nem ficar no aperto quando uma despesa inesperada acontece porque tem dinheiro pra cobrir.

Consolide sua dívida

Você tem dívidas em 3 cartões de crédito, 5 empréstimos aqui e ali? Comece por pegar seus 3 cartões e destruir 2 deles, senão todos. Fique apenas com um cartão de crédito no máximo, para emergências. Autocontrole é chave, não adianta destruir 2 cartões e ir aplicar um novo no dia ou no mês seguinte. Cartão de crédito tem que ser usado com muito cuidado, nem você nem ninguém precisa de mais do que 1.

A mesma coisa com esses empréstimos que se tiram por aí. A maioria dessas casas que oferecem empréstimos fáceis são quase agiotas licenciados. Você pega 100 reais emprestados e paga 250. Juros altíssimos, que parecem só fazer aumentar as dívidas, por mais que você pague. Então chega, se comprometa a parar com esse círculo vicioso, por mais sacrifício que tenha que fazer.

Em seguida, vá no seu banco fale com o seu gerente e diga que quer consolidar sua dívida. Corte os cartões na frente dele se preciso, leve os extratos dos seus empréstimos e pergunte se o banco pode “comprar sua dívida”. Ou seja, o banco paga todos os seus cartões, seus outros empréstimos, e você fica apenas com uma dívida maior em um banco. Eu sugiro que isso seja feito no banco em que você recebe, porque como têm acesso às suas contas é mais fácil ser aprovado. De jeito nenhum faça isso numa dessas casas de financiamento fácil.

Claro que se o banco achar que sua dívida é muito extensa ou que você não é um bom pagador não vão aceitar, mas tente, o máximo que você pode levar é um não. Se você conseguir, um valor acessível, que você consiga pagar mensalmente sem passar fome deve ser estipulado e deduzido diretamente do seu salário.

Se o banco negar, não se desespere. Quando você começar a controlar seus gastos, parar de fazer novas dívidas, tiver cuidado com o uso do cartão de crédito e começar a poupar nem que seja 10 reais por mês, mesmo sem uma dívida consolidada, e claro demorando mais, você irá sair do sufoco.

Viva de acordo com suas possibilidades

Já ouviu dizer que quem não tem dinheiro não tem vícios? Pois então. Se você não tem dinheiro e está sempre endividado, a primeira coisa (e a mais difícil), é parar de gastar com coisa fútil. Em vez de beber 5 cervejas, bebe 1, fuma menos, compra menos roupa (ou nenhuma por um tempo), aprende a fazer sua própria unha, seu cabelo, limpe sua própria casa, faça sua comida em casa.

Pare de ter vergonha, pare de querer ser o que você não é. Não tem dinheiro para sair, fale pros seus amigos que tá apertado e vai ficar apertado durante uns tempos e que não vai dar pra sair. Seus amigos de verdade vão te chamar na casa deles e te oferecer uma cerveja, ou ficar apenas trocando ideia, sem problema. Diversão é importante mas sempre tem uma opção mais barata de diversão e em época de sacrifício, sacrifícios têm que ser feitos.

Esquece o tênis da moda ou a lupa da vez. A casa tá cara? Mude pra uma menor, mais barata, o importante é ter um teto; tenha menos coisa em casa pra manter. Carro tá consumindo muito? Vende e compra um mais em conta, considere ficar sem carro e usar o metrô se tiver na sua rota. Tudo isso é besteira, você não precisa disso. O que você precisa é de deitar a cabeça na almofada sem estresse.

Comece cortando o fútil, o extra, o que é apenas imagem. Mantenha apenas o essencial. Entenda que tudo isso é um sacrifício temporário, em breve você estará se divertindo mais do que imagina porque estará livre de dívidas e com as costas leves.

 Aprenda a usar o cartão de crédito a seu favor

Como eu havia dito, tenha apenas 1 cartão de crédito. Coloque um limite nesse cartão que não passe de um salário e meio seu e tente colocar a data da fatura para dia 30 ou 31 de cada mês. Depois da fatura ser emitida, ela tem um período de crédito de 30 dias, o que quer dizer que você usa por exemplo o mês de Janeiro, a fatura sai dia 31 de Janeiro e apenas terá que pagar no início de Março.

Não pode esquecer que durante o mês de Fevereiro você pode ter que usar o cartão, embora não tenha pago ainda Janeiro, então, o crédito que você consumiu em Janeiro ainda está pendente. Muito cuidado para em Fevereiro não estourar o limite do cartão. Quando você passa o limite o banco cobra taxas de juro extra no seu cartão, você será penalizado e aumentará sua dívida a troco de nada – isso é dar dinheiro de graça pro banco.

Além disso, cartões de crédito têm juros. Se você não paga a fatura do cartão na totalidade, o banco irá cobrar juros sob o valor que não foi pago e acrescentar na sua fatura seguinte, ou seja, sua dívida cresce. Gaste no cartão apenas o que consegue pagar na totalidade. Provavelmente isso não será possível logo de cara mas comece gastando o mínimo e pagando o máximo possível da sua fatura, eventualmente chegará numa posição de equilíbrio.

Um outro conselho é que não pague mais do que o valor da sua fatura. Sobrou dinheiro? Joga na poupança, deixa a fatura do cartão para pagar quando chegar a hora, no valor certo da totalidade da fatura. Pagar adiantado não traz vantagem nenhuma para você.

Tente escolher um cartão com juros o mais baixo possível e que tenha algum benefício extra, como pontos de supermercado, desconto em gasolina ou transportes públicos, seja o que for que você pode aproveitar depois. Se tiver um cartão que tem juros muito muito baixos mas não oferece nada, pegue esse mesmo, pelo menos até estar livre de dívidas.

Existem muitas opções de cartão crédito, leia as letrinhas pequenas dos contratos, faça muitas perguntas, investigue, pesquise na Internet, pergunte para um amigo, se informe bastante e escolha o melhor para sua condição financeira e para os seus tipos de gastos.

Escolha uma estratégia financeira

A minha funciona mais ou menos assim: recebo meu salário, pago as minhas despesas essenciais, a fatura inteira do cartão de crédito, coloco o máximo que der na poupança e fico com o mínimo na minha corrente. Funciona comigo pois aproveito os pontos do cartão sem nunca pagar multas, fico com o mínimo possível na mão porque sei que o que tá na mão voa fácil e coloco tudo o resto na poupança porque “dói” mais para tirar depois.

Tem gente que prefere não usar cartão – se você não sabe usar direito, melhor não ter mesmo; uns preferem ir pagando as dívidas aos poucos, outros preferem juntar dinheiro e quitar de vez (desde que a dívida não aumente pode ser bom, pode negociar o valor se pagar de vez); enfim, existem várias estratégias possíveis.

Pense, pesquise, decida o que melhor se adapta a você siga sempre a mesma estratégia porque vira hábito. Tal como malhar, você se acostuma e fica cada vez mais fácil e menos doloroso. O objetivo é sempre pagar todas as responsabilidades e dívidas em vez de acumular, e aumentar o número da sua poupança.

Se possível, aumente seu rendimento

Agora que você já reduziu suas despesas, sabe para onde seu dinheiro está indo, tem uma estratégia para pagar sua dívida e aumentar sua poupança, a única coisa que resta fazer é aumentar seu rendimento.

Gosta de cozinhar? Pode vender marmita, doces, salgadinhos; pessoas mais criativas podem ajudar em decoração de eventos ou casas, quartos de bebê; pode fazer um serviço extra pintando parede, dirigir Uber , costurar em casa, fazer artesanato para vender, investir em galinhas e vender ovos, plantar uma horta e vender verdura, trabalhar num bar recolhendo copo ou até quem sabe simplesmente se colocar no mercado e tentar achar um emprego com mais benefícios (em paralelo com seu trabalho, não vá se demitir de um emprego por coisas incertas).

Eu tinha meu emprego durante a semana e me inscrevi como promotora de eventos em várias agências e também numa empresa de cerimonial. Enquanto meus amigos estavam na farra, eu fiquei muitas noites trabalhando, entregando folheto ou fazendo promoção e muitos finais de semana em casamentos, trabalhando feiras, eventos, etc. Perdi farra mas sabe o que eu ganhei? Dinheiro. Complementei minha renda como pude e aos poucos fui me estabilizando. Requer esforço e sacrifício, cansa, e às vezes dá vontade de largar tudo mas vale a pena, tem muito mais anos aproveitando depois do que distribuindo folhetos.

 

 

Anúncios

Dívidas mundiais – o relógio de débito global

Inicialmente este relógio, localizado na Times Square,  foi criado para mostrar a dívida dos Estados Unidos mas hoje em dia existem versões mundiais que indicam as dívidas de todos (ou quase todos) os governos.

O aumento destes valores indica maior probabilidade de crise financeira e até maior instabilidade política, já que as crises muitas vezes causam mudanças governamentais.

Todos os valores nas imagens embaixo estão em dólares.

Esse é o quadro negro do momento:

Se quiserem ver a versão mais atual ou comparar outros países, aqui o link para o site do The Economist.


Comeria restos do lixo dos outros? Conheça o Freeganismo

Domingo passado o New York Times publicou um artigo interessante sobre Freeganismo – um estilo de vida emergente no qual as pessoas vivem dos detritos da sociedade, utilizando o mínimo possível de dinheiro.  Se alimentam de comidas descartadas pelos restaurantes e mercados que consideram ainda comestível que recolhem dos lixeiros. 

No artigo é também mencionado que os freeganos (como são conhecidos) estão atualmente se apoderando de casas abandonadas em Buffalo (Nova Iorque), e fazendo delas o seu lar, livrando-as de completo abandono. Alguns dos donos das casas terminam perdendo-as para os novos “inquilinos” depois que estes se apoderam da propriedade por um bom período de tempo e terminam ganhando poderes sobre ela.  Os vizinhos e a municipalidade de Buffalo também não estão satisfeitos com o aumento dos adetos desse estilo de vida.

Os freeganos defendem a comunidade, a generosidade, o interesse social, a liberdade, e a ajuda mútua, à diferença do que, segundo eles, a atual sociedade – “baseada em materialismo, apatia moral, competição, conformismo e cobiça” . Afirmam que, após anos tentando boicotar produtos de corporações responsáveis por violações dos direitos animais, destruição ambiental e exploração humana, perceberam que não importa o que comprarmos, de algum modo apoiaremos alguma empresa ruim. O problema, para eles, é o sistema econômico em si.

Assim, fazem um boicote a esse suposto totalitarismo, em que a busca do lucro teria implicações éticas, e todos os produtos algum tipo de impacto prejudicial – dos quais jamais estaríamos cientes em muitos casos evitando comprar qualquer coisa, em todos os níveis possíveis. Como precisam comer, se vestir e morar em algum lugar, procuram os restos não consumidos de outros membros da sociedade.

O que vocês acham disso?